sábado, 29 de setembro de 2007

O primeiro pecado


A Árvore do Conhecimento

Deus avisou Adão, o primeiro homem, que não poderia comer o fruto da “árvore do conhecimento do bem e do mal” pois morreria, isto é, perderia a imortalidade. Poderíamos dizer que esta árvore simbolizaria a emancipação do Homem perante Deus, pois, ao comer do fruto, o Homem passaria a poder distinguir o bem do mal. Deus teria, portanto, receio que o Homem se tornasse auto-suficiente nas suas escolhas morais.

Por outro lado, poderíamos arrojar uma interpretação mais adaptada aos nossos dias. Considerando que o “conhecimento do bem e do mal” constitui a totalidade do conhecimento, a árvore que Deus referia era, portanto, a Ciência. Seria um aviso divino para o Homem não se aventurar pelos caminhos do conhecimento, pois, embora libertasse o homem da sua dependência de Deus, seria o caminho para a sua morte.

Digamos que a interpretação deste “aviso divino” estaria de acordo com os cenários apocalípticos modernos que são baseados num contexto em que o homem abusou da Ciência e deixou de a controlar. Como exemplo, a cultura do século XX deixou-nos carregados de receios de autodestruição do Homem por causa do abuso da ciência: a guerra nuclear, o buraco do ozono, a desflorestação, o aquecimento global, etc.

Esta é apenas uma das possíveis interpretações da história do primeiro pecado à luz do entendimento dos nossos dias e serve apenas para indicar a elasticidade que algumas histórias bíblicas têm. Certamente quem, há 2.500 ou mais anos, escreveu esta narrativa teria em mente outras interpretações e não estaria a pensar numa auto-destruição do Homem pela má aplicação da Ciência. Porém, é duvidoso que o autor escrevesse esta história para ser entendida literalmente, como se Adão e Eva tivessem transgredido por ter trincado um fruto colhido de uma árvore. Esta visão reduz esta história a um caso de simples rebeldia ou desobediência infantil (“não mexe, senão fica de castigo!”...).

A interpretação tradicional, para além de encarar a história literalmente, é detractora da mulher, culpando Eva da prevaricação de ter em primeiro lugar provado do fruto proibido, arrastando consigo Adão para a decadência da Humanidade.

Segundo Génesis foi uma serpente que incitou Eva a comer do fruto da árvore proibida da Ciência, retirando-lhe a imortalidade. Esta história não é única no seu conteúdo: no Épico de Gilgamesh, um antiquíssimo texto sumério, o protagonista vai à procura da imortalidade e encontra-a na forma de uma planta, mas uma serpente acaba por comê-la e, assim, também Gilgamesh perde a imortalidade.

Para finalizar, uma pergunta que podemos fazer aos que defendem a literalidade da narrativa de Génesis é: "Que idade tinha Eva quando foi enganada pela serpente?". Podemos acrescentar: "Se a serpente era Satanás, quantos anos já tinha de existência quando enganou Eva?"


O Deus Costureiro

Na sequência da desobediência, Adão e Eva verificaram que estavam nus e cobriram-se com folhas de figueira. Parece que Deus preferiu que eles se vestissem de peles...

Génesis 3:6-21 
E, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Então, foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e cobriram-se
E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. 
E chamou o Senhor Deus a Adão e disse-lhe: Onde estás?
E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me... 
... E fez o Senhor Deus a Adão e a sua mulher túnicas de peles e os vestiu.


A Primeira Espada

Estamos enganados quando pensamos que foi o Homem que inventou as armas. Afinal, muito antes de o Homem sequer trabalhar os metais, já Deus tinha enviado anjos (querubins) com uma espada para proteger a entrada do Jardim do Eden...

Génesis 3:22-24 
Então disse o Senhor Deus: “Agora o homem se tornou como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Não se deve, pois, permitir que ele tome também do fruto da árvore da vida e o coma, e viva para sempre”. 
Por isso o Senhor Deus o mandou embora do jardim do Éden para cultivar o solo do qual fora tirado. Depois de expulsar o homem, colocou a leste do jardim do Éden querubins e uma espada flamejante que se movia, guardando o caminho para a árvore da vida.


O mito de Adapa

O mito bíblico do primeiro pecado parece inspirado no Mito Mesopotâmico de Adapa. Em ambas as narrativas é negada a imortalidade ao homem porque esta representaria uma perda de status para Deus.


2 comentários:

  1. Concordo genericamente com tudo o que dizes. Hoje mesmo, fiz uma leitura mais intrínseca do texto, como podes ver em http://semrede.blogs.sapo.pt.

    ResponderExcluir
  2. Proponho outra interpretação: o conhecimento do bem e do mal marca a evolução do animal irracional para o homem. Com esse conhecimento veio também o de que somos mortais (que os animais não têm).
    Esta interpretação tem uma consequência interessante: quem escreveu esta história tinha uma ideia, ainda que intuitiva, da evolução das espécies. Será que no subconsciente nós sempre soubemos que descendíamos de animais irracionais?
    carlos cardoso

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...