quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Século IX AEC - Asherah, a esposa de Yahveh



"Eu vos abençoo por Yahveh de Samaria e da [sua] Asherah"

Um fragmento de cerâmica (pertencente a um grande jarro) encontrado em Kuntillet Ajrud apresenta uma inscrição em hebraico "Eu vos abençoo por Yahveh de Samaria e da [sua] Asherah". Para além disso, apresenta três figuras antropomorficas e dois bovinos.
As figuras retratadas podem não estar relacionadas com a inscrição.

Kuntillet Ajrud é um local arqueológico do final do século IX AEC no nordeste da península do Sinai.

O local foi escavado em 1975/76 pela Universidade de Tel Aviv. O edifício principal, semelhante a uma fortaleza, é dividido em duas salas. Ambas as salas continham várias pinturas e inscrições nas paredes e em dois grandes jarros de água, um em cada sala. As pinturas nos jarros mostram vários animais, árvores estilizadas, e figuras humanas, algumas das quais podem representar deuses. Elas parecem ter sido feitas ao longo de um período bastante considerável e por vários diferentes artistas, e não formam cenas coerentes. A iconografia é inteiramente síria/fenícia e não tem conexão com os modelos egípcios comummente encontrados na arte palestina.

As inscrições são na sua maioria em hebraico antigo com algum fenício. Muitas são de natureza religiosa, invocando o Yahveh, El e Baal, e duas incluem as frases "Yahveh de Samaria e sua Asherah" e "Yahveh de Teman e sua Asherah". Há um consenso geral de que Yahveh está a ser invocado em relação a Samaria (capital do reino de Israel) e Teman (em Edom) - isso sugere que o Yahveh tinha um templo em Samaria, e levanta uma questão sobre a relação entre o Yahveh e Kaus, o deus nacional de Edom. "Asherah" seria também o nome de um objecto de culto, embora a relação deste objeto (a árvore estilizada talvez) para Yahveh e para a deusa Asherah, consorte de El, não é clara.

Asherah é, na mitologia semítica, uma deusa mãe canaanita da fertilidade, do amor e da guerra, que aparece em várias fontes acadianas escritas pelo nome de Ashratum/Ashratu e entre os hititas Asherdu, Ashertu, Aserdu ou Asertu. Aserá é geralmente considerada idêntica à deusa ugarita Athirat.

Asherah/Athirat é identificada como consorte do deus sumério Anu e do ugarítico El, as divindades mais antigas de seus respectivos panteões.
Com uma classificação elevada no panteão ugarítico, nos textos antes de 1200 AEC a Asherah é quase sempre dado o título completo de "Senhora Athirat do Mar" ou "Ela quem pisa o Mar".

Ela também é chamada Elat ("Deusa", a forma feminina de El; comparar com Allat). O outro epíteto divino era "A criadora dos deuses ( Elohim )". Nestes textos, Athirat é a consorte do deus El - há uma referência aos 70 filhos de Athirat, presumivelmente os mesmos 70 filhos de El. Ela está claramente distinguida de Ashtart nos documentos ugaríticos embora em fontes não-ugaríticas de períodos posteriores a distinção entre as duas deusas podem ficar desfocadas; seja como resultado de erro de escriba ou através possível sincretismo.

Entre o século X AEC e o início do seu exílio em 586 AEC, o politeísmo era normal em todo Israel; foi só depois do exílio que a adoração de Yahveh sozinho tornou-se estabelecida, e, possivelmente, só mais tarde, no tempo dos Macabeus (seculo II AEC), é que o monoteísmo se tornou universal entre os judeus.

É provável que Asherah, ao mesmo tempo, era adorada como consorte de Yahveh, o Deus nacional de Israel.

Existem referências sobre a adoração de muitos deuses no livro de Reis: Salomão constrói templos para muitos deuses e Josias é retratado a derrubar estátuas de Asherah no templo que Salomão construiu para o Yahveh. O avô de Josias, Manassés, tinha erguido esta estátua (2 Reis 21: 7).

Outra evidência inclui as muitas figuras femininas desenterrados no antigo Israel, apoiando a visão de que Asherah funcionava como uma deusa e consorte de Yahveh e era adorada como a Rainha do Céu. O livro de Jeremias, escrito por volta de 628 AEC, refere-se a Asherah quando menciona a "Rainha dos Céus":
Jeremias 7:18 Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha, para fazerem bolos à deusa chamada Rainha dos Céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira. 
Jeremias 44:17-19 antes, certamente, cumpriremos toda a palavra que saiu da nossa boca, queimando incenso à deusa chamada Rainha dos Céus e oferecendo-lhe libações, como nós e nossos pais, nossos reis e nossos príncipes temos feito, nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém; e tivemos, então, fartura de pão, e andávamos alegres, e não vimos mal algum. Mas, desde que cessamos de queimar incenso à Rainha dos Céus e de lhe oferecer libações, tivemos falta de tudo e fomos consumidos pela espada e pela fome. Quando nós queimávamos incenso à Rainha dos Céus e lhe oferecíamos libações, fizemos-lhe bolos para a adorar e oferecemos-lhe libações sem nossos maridos? 
Jeremias 44:25 Assim fala o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel, dizendo: Vós e vossas mulheres não somente falastes por vossa boca, senão também o fizestes por vossas mãos, dizendo: Certamente, cumpriremos os nossos votos que fizemos, de queimar incenso à Rainha dos Céus e de lhe oferecer libações; perfeitamente confirmastes os vossos votos e perfeitamente cumpristes os vossos votos.


Referências:
  - https://en.wikipedia.org/wiki/Asherah
  - https://en.wikipedia.org/wiki/Kuntillet_Ajrud


Recomendado:
  - Inanna - ressuscita ao fim de três dias


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...