sábado, 12 de janeiro de 2013

Paixão VI - Ressurreição







De todos as passagens do evangelho, a ressurreição de Jesus é o episódio determinante da doutrina do cristianismo. 


A descoberta no túmulo vazio

Para que o mundo soubesse que houve uma ressurreição de Jesus, era necessário que houvesse testemunhos que tal tinha ocorrido. Mas os quatro relatos não chegam a acordo sobre quem chegou primeiro ao túmulo, no domingo.

Marcos 16:1
Mateus 28:1
Lucas 23:55-24:11
João 20:1-4
Maria Madalena, Maria a mãe de Tiago, e Salomé.
Maria Madalena e a outra Maria. E, antes delas, já lá estariam uns guardas.
Maria Madalena, Joana, Maria a mãe de Tiago, e pelo menos mais duas mulheres.
Maria Madalena sozinha viu o túmulo aberto e correu a  procurar Pedro, retornando com ele e “outro discípulo”.


Podemos perceber que a única personagem que aparece como testemunha do túmulo vazio em todos os relatos é Maria Madalena. É difícil imaginar uma situação em que os quatro relatos possam ser considerados simultaneamente verdadeiros.

Igualmente inconsistente é a descrição do que é que se podia ver naquele momento dentro e fora do túmulo:

Marcos 16:5
Mateus 28:2-7
Lucas 24:4
João 20:4-14
As mulheres viram um rapaz, vestido de  branco, sentado dentro do túmulo.
As mulheres viram “um anjo do Senhor” com aspecto de relâmpago e vestido de branco, sentado na pedra, fora do túmulo; também os guardas estavam presentes.
As mulheres viram dois homens com aspecto resplandecente, não se especificando se dentro ou fora do túmulo.
Um “outro discípulo” e Pedro viram os panos que embrulhavam o corpo de Jesus e foram embora; Maria Madalena espreitou e viu “dois anjos vestidos de branco” sentados dentro do túmulo e logo a seguir viu Jesus.


Qual dos evangelistas tinha razão?


A notícia das mulheres

A quem contaram as mulheres acerca do túmulo vazio?

Marcos 16:8
Mateus 28:8
Lucas 24:9
João 20:18
Não disseram nada a ninguém.
Foram a correr contar aos discípulos de Jesus
Foram contar aos onze e a todos os outros
Maria Madalena conta aos discípulos que viu Jesus


Então em que ficamos? As mulheres contaram ou não contaram?

Num extremo temos o livro de Marcos que conta que as mulheres ficaram caladas e “não disseram nada a ninguém”. No outro extremo temos Lucas, que, conforme já foi dito, mostra uma perspectiva muito feminina do relato, diz que as mulheres “contaram aos onze e a todos os outros”.


As aparições

Para responder à pergunta “A quem apareceu Jesus em primeiro lugar?” o melhor é não confiar no relato de Lucas, porque é o que mais se afasta dos outros três relatos.

Marcos 16:9
Mateus 28:2-9
Lucas 24:13-15
João 20:4-14
Jesus apareceu a Maria Madalena, não explica onde nem como
Quando as mulheres (Maria Madalena e a outra Maria) iam a correr, Jesus apareceu-lhes
Jesus apareceu a dois discípulos, Cléopas e outro, “a caminho de Emaús”
Jesus apareceu a Maria Madalena logo no local do túmulo


Vejamos as diferenças:
-          em Marcos e João, Jesus aparece primeiro só a Maria Madalena;
-          em Mateus, Maria Madalena está com “a outra Maria” quando vê Jesus;
-          em Lucas, foram dois discípulos desconhecidos; como um deles é referido por nome (Cleópas), provavelmente seria um conhecido do autor que foi brindado com um papel especial;


E a quem mais apareceu Jesus?

Marcos 16:14
Mateus 28:16-17
Lucas 24:33-36
João 20:19-21:14
Apareceu a mais dois e depois aos onze, quando estavam à mesa
Apareceu aos onze, num monte, na Galiléia, e alguns não acreditaram...
Apareceu aos onze e mais outros que estavam com estes, em Jerusalém
Apareceu, numa sala fechada à chave, aos discípulos excepto Tomé; oito dias depois, apareceu aos discípulos já com Tomé; depois ainda apareceu para ir pescar com alguns na Galiléia


Neste ponto instala-se a confusão total, pois nenhum relato coincide com os outros.

Na versão de Marcos, as aparições de Jesus são relatadas numa secção final chamada de “conclusão longa”, que não existe em todos os manuscritos encontrados de Marcos, indiciando uma inserção tardia de harmonização; o autor da inserção talvez tentasse harmonizar Marcos com os outros evangelhos. No entanto, quase todas as edições actuais do Novo Testamento incluem esta secção.

Na versão de João, as aparições são relatadas no capítulo 20 e no capítulo 21. Este último capítulo foi claramente um aditamento posterior, descrevendo mais uma aparição de Jesus aos discípulos que estavam a pescar.

Mas Paulo, anos antes da escrita dos evangelhos, na sua carta aos Coríntios, tinha uma história diferente para contar:
1 Coríntios 15:3-8 ... que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras; que apareceu a Cefas, e depois aos doze; depois apareceu a mais de quinhentos irmãos duma vez, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormiram; depois apareceu a Tiago, então a todos os apóstolos; e por derradeiro de todos apareceu também a mim, ...

Portanto, Paulo, provavelmente, nunca ouviu falar de Maria Madalena e, por outro lado, tinha conhecimento de uma aparição colectiva a quinhentas pessoas que não é referida nos evangelhos. Mais adiante, iremos pormenorizar este polémico “testemunho” de Paulo sobre as aparições de Jesus.

Do mesmo modo, Paulo parece nunca ter ouvido falar de Judas, porque diz que Jesus apareceu aos doze, enquanto os evangelhos dizem que Jesus visitou os onze.



Jesus deixou ser tocado?

Em João, o autor insinua que o ressuscitado Jesus não queria ser tocado por Maria Madalena.

Marcos
Mateus 28:8-10
Lucas 24:36-43
João 20:11-29
-
As duas mulheres agarraram-se aos pés de Jesus.
Jesus diz aos discípulos para o tocarem para certificarem-se de que ele não era um espírito e come peixe com eles.
Jesus diz a Maria Madalena para não o tocar “porque ainda não subiu ao Pai” mas insiste, mais tarde,  para Tomé tocá-lo.


No entanto, em Mateus, Maria Madalena e a outra Maria agarraram-se aos pés de Jesus sem nenhuma oposição por parte deste. Em Lucas é o próprio Jesus que insiste para que os discípulos lhe toquem.



A ascensão


Dos quatro evangelhos, só em Lucas é que se relata a ascensão de Jesus aos céus como um evento observável.

Marcos 16:19
Mateus 28
Lucas 24:51
João 21
Jesus foi recebido no céu, e sentou-se à direita de Deus... (mas ninguém viu...)
Não há ascensão.
Jesus diz que ficará com os discípulos até ao fim dos tempos
Jesus subiu aos céus em Betânia (Judeia), aparentemente no próprio dia da sua ressurreição
Não há ascensão.



O evento é também relatado em Actos dos Apóstolos, cujo autor é também, provavelmente, o autor de Lucas, mas o relato não é consistente com o relatado em Lucas:
-          em Lucas, Jesus subiu aos céus em Betânia (Judeia), aparentemente no próprio dia da sua ressurreição;
-          em Actos dos Apóstolos, Jesus subiu aos céus no Monte das Oliveiras, em Jerusalém, quarenta dias depois da ressurreição (Actos 1:9-12)

Mas, presumindo que o autor de Lucas é o mesmo que o autor de Actos, como se explica uma inconsistência destas? Provavelmente trata-se de mais um caso de inserção posterior no livro de Lucas.

26 comentários:

  1. Lol! Tanto trabalho para perceber que os evangelhos não são livros de História. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Não é só isso:

    Não só não são livros de História, como não contam história nenhuma.

    No limite nada ou quase nada do que é narrado corresponde a acontecimentos.

    Obrigado

    ResponderExcluir
  3. Como é que sabe, fez algum curso de exegése por correspondência. Se estes livros não têm qualquer correspondência com a realidade, como foram inventados? E por quem? E como sabemos que umas coisas não aconteceram?

    Parece-me que a sua análise simplista não é sequer científica.

    ResponderExcluir
  4. Dê-me alguns exemplos de episódios relativo a Jesus para verificarmos se correspondem a acontecimentos.

    ResponderExcluir
  5. Para experimentar o seu critério infalível de ver se aconteceu nos quatro evangelhos?

    Vamos cá a ver, se quer provar que isto tudo é treta, faça assim:
    - Jesus Cristo existiu ou não? Que fontes falam da sua existência?
    - O que fez durante a vida? Teve discípulos?
    - Quando morreu? Quando isso aconteceu o que fizeram os que o seguiam?
    - Quando começaram a aparecer relatos escritos da sua vida? Escritos por quem?
    Etc, etc, etc

    Achar que vai comparar os 4 evangelhos para provar que são mentira é uma grande infantilidade científica. Isso não é ciência, é apenas uma tentativa de insulto a quem andou a estudar (cientificamente) estes livros durante os últimos 2000 anos.

    ResponderExcluir
  6. Experimente ler outros artigos deste blog para que não tenha de basear-se apenas neste post (só sobre a ressurreição).

    Neste post nem me reduzo aos evangelhos, também aponto uma carta de Paulo sobre o assunto.

    A pergunta "Jesus existiu?" é tão desinteressante como perguntar se "O Zé existiu?". Da mesma maneira que é necessário definir quem é este Zé, também é necessário definir quem é esse Jesus antes de perguntar se ele existiu.

    Excluindo os episódios sobrenaturais (mãe virgem, andar sobre as águas, expulsar demónios, transformar água em vinho), pode dar um exemplo de um episódio que considere acontecimento biográfico?

    Quanto aos evangelhos canónicos: são escritos anónimos. Os nomes dos autores foram "impostos" à posteriori (século II).


    http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt/2012/05/evangelhos-canonicos.html


    ResponderExcluir
  7. Várias coisas:

    - Porque é que acha que os evangelhos são anónimos, só porque não estão assinados no texto propriamente dito?
    - Diz que nenhum dos que os escreveram foram testemunhas directas, e pelo menos 2 deles não terão sido, porque não dizem explicitamente: Eu vi isto ou aquilo? Há outras maneiras de o fazer, mais subtis.
    - Diz que o canon foi definido Atanásio no séc.IV, mas já no ano 170, pelo menos, estava composto o canon do NT: http://www.bible-researcher.com/muratorian.html.
    - Jesus não tem tanta relevância para si como o Zé, basta ver o tempo que perde a falar dele e dos seus seguidores. Por isso, convém-lhe explicar como é que tudo isto aconteceu, todo este movimento à volta do “Zé”. E também como surgiram pessoas a escrever a vida desse tal “Zé”. E como é que isto cresceu de tal maneira que no ano 64 já havia tantos cristãos em Roma.

    ResponderExcluir
  8. 1. Evangelhos Anónimos
    - não incluiam o título que hoje os encabeça
    - se não incluíam o título como é que os leitores "adivinhavam" o autor?
    - quem é que colocou os títulos?

    2. Testemunho
    - o três evangelhos sinopticos têm uma estrutura semelhante e algumas passagens são iguais palavra por palavra
    - percebe-se que os autores estavam a trabalhar sobre textos anteriores e não testemunhos
    - isto leva às teorias documentais (dupla fonte, primazia de um proto-Marcos, etc)
    - http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt/2012/06/fontes-para-os-autores-dos-sinopticos.html

    3. O canon muratoriano não incluia uma lista igual à que é aceite hoje. O canon de Atanásio é semelhante ao actual.
    Antes do canon muratoriano existiu um canon proposto por Marcion de Sinope, cerca de 150, composto apenas pelo evangelho de Lucas e 10 cartas de Paulo.
    Pode ver como a literatura expandia-se a cada geração.

    4. o cristianismo desenvolveu-se primeiro em volta de uma personagem celestial que tinha o título de Cristo e era filho do Deus dos hebreus.
    Não sei quantos cristãos havia em Roma em 64, mas não é de estranhar o cristianismo espalhar-se em zonas a milhares de quilometros de Jerusalém e da Galileia?
    Locais onde não havia hipótese de existirem testemunhos vivos da existência de um Jesus da Galileia?
    O principal motor do arranque do cristianismo foi Paulo que nunca conheceu Jesus - mas que diz que teve uma visão (aparição) do "Senhor Cristo" tal como os outros apóstolos que o antecederam (alguns dos quais se tornaram em personagens dos evangelhos)

    ResponderExcluir
  9. Peço desculpa pela demora na resposta, mas ando com algum trabalho.

    1. O que nos faz dizer, ou pelos menos desconfiar, que são esses os verdadeiros autores é a tradição que acompanha os textos. Os evangelhos não caíram do céu, foram escritos por homens dentro de comunidades cristãs, e são essas comunidades que testemunham quem os terá escrito. Por exemplo, o manuscrito mais antigo que temos de Platão foi escrito 13 séculos depois de Platão. Será que não foi Platão que o escreveu? Será que Platão existiu sequer? Não temos tantas cópias dum livro, e tão próximas dos acontecimentos, como acontece com os evangelhos.
    2. Há muitas teorias, especialmente quando a nossa fonte é a internet. Quando se faz uma procura mais profunda, aparecem menos hipóteses. Mas caso um deles tenha servido de base para os outros, a sua teoria de tudo ser falso por ser diferente nos evangelhos perde um bocado o valor, não?
    3. O canone de muratori tem aproximadamente os mesmos livros que usamos hoje, o que é impressionante, porque terá sido escrito 130 anos depois da morte de Jesus. O que é importante perceber é que os livros eram usados nas comunidades cristãs, porque poe tradição eram tidos como autênticos. Do mesmo modo eram recusados outros, mais tardios. A decisão da caonicidade antes de ir de cima para baixo, foi de baixo para cima, se podemos falar assim. Marcião, além de gnóstico, recusava o Deus hebreu como verdadeiro. Ora isto é um grande disparate, visto que Jesus rezava ao Deus hebreu, e chamava-lhe Abbá (papá)
    4. Não estranho nada, em primeiro lugar porque fazia parte do império romano, e como podemos ver nas viagens de Paulo, viajar dentro do império não era assim tão difícil. Na perseguição do imperador Cláudio aos judeus em Roma, os cristãos apanharam por tabela (até porque a maioria eram judeus convertidos). Dois desses , Priscila e Áquila, encontram Paulo depois disso. A comunidade de Roma foi fundada por nada menos do que São Pedro, por isso é normal que fosse forte, e tivesse crescido rapidamente.
    5. Presumo que seja certa a existência de Paulo, Pedro e desta gente toda. E se é esse o caso, quem terá inventado esta história toda?

    ResponderExcluir
  10. Agradeço os seus comentários.
    1. Essa comparação com Platão faria sentido se Jesus também tivesse deixado alguma obra escrita.
    Atribui-se a Platão a escrita da "Republica" e de muitos "Diálogos". Jesus nada deixou escrito (era analfabeto? podia ter ditado a um escriba...).
    No entanto existe essa disputa acerca de Sócrates.

    2. O facto de não serem independentes tira força à caracterização de os evangelhos serem relatos de acontecimentos.
    Como é que podemos aferir cada episódio da vida de Jesus?

    3. Ninguém nega que no ano 170 já quase todos os escritos do Novo Testamento estavam redigidos.
    No entanto:
    - Os dois primeiros evangelhos não estão disponíveis no fragmento
    - Esse canon deixa de fora 5 cartas do NT e inclui escritos que hoje não fazem parte do NT (Apocalipse de Pedro)

    4. Em Actos e nas cartas paulinas, percebe-se que era muito difícil viajar. Paulo diz, em Actos, que era cidadão romano - a ser verdade, ele era uma raríssima excepção nas comunidades judaicas.

    5. Paulo afirma que o "Senhor" lhe apareceu tal como já tinha aparecido anteriormente a Cefas.
    Paulo nunca faz referência a qualquer convívio terreno entre o "Senhor" e Cefas.

    Em muita da literatura cristã (canónica e não-canónica), os autores afirmam obter o conhecimento através de visões (apocalipses) do "Senhor". Isto acontece também nas cartas de Paulo.

    Até em Actos dos Apóstolos (que a tradição atribui a autoria ao evangelista Lucas), Jesus aparece, em visão, a Pedro para lhe falar da dieta cristã (Actos 10:9-16)!

    Nos evangelhos, Jesus transmite o conhecimento, na Terra, através de discursos e parábolas e também em conversas privadas com os apóstolos. Jesus já tinha ensinado sobre os alimentos na presença dos discípulos (Pedro faltou a essa aula?).


    ResponderExcluir
  11. Obrigado eu por me deixar comentar.

    Os evangelhos são de longe os livros mais estudados e mais conhecidos da antiguidade, e também os que temos mais cópias. Não há razão para duvidar da sua originalidade. É importante arranjar uma teoria alternativa para a existência de Jesus, e para o facto dos seus (ditos) apóstolos se terem deixado morrer como mártires, e do surgimento de comunidades cristãs nessa altura. Isso ainda ninguém conseguiu fazer.

    Pode-se aferir os episódios de Jesus não desejando ter um relato perfeito de como as coisas aconteceram, mas tendo um relato divino feito por mãos humanas. A bíblia não caiu do céu (como o corão), foi escrita por homens, copiada por outros, etc…Se estamos à espera que seja um livro científico, vamos ficar desiludidos. Os evangelhos só podem ser lidos à luz da tradição, onde foram escritos, e que sempre os interpretaram, e nos explicaram o sentido das escrituras.

    Por exemplo, S.Inácio de Antioquia foi discípulo de S.João, discípulo de Jesus. Temos textos de S.Inácio, serão falsos também? Inácio nunca existiu? Não parece provável. Então existiu e inventou a figura de João? Também não parece provável.

    Não percebi, está a sugerir que Pedro nunca viu Jesus durante a vida, só depois de ressuscitado?

    São Paulo nunca revela nada que tenha percebido no encontro que teve com Jesus ressuscitado. Só diz que andava a matar cristãos, depois dum momento para o outro passou a ser cristãos, e os próprios cristãos desconfiavam dele ao princípio. Mesmo assim depois disso foi dois anos para a arábia, antes de começar o seu ministério.

    Se já leu os evangelhos, percebe que Pedro não era muito rápido a perceber as coisas. Cometeu várias gafes, e muitas vezes teve que ser corrigido por Jesus. Mas mesmo assim Jesus escolheu-o como cabeça dos apóstolos.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado João Silveira, as suas questões são um bom desafio!

    1. A questão da originalidade poderá ser aferida comparando as cópias manuscritas gregas mais antigas.
    Não é por aí que interessa discutir, até porque o facto de ser original não é garante das intenções do autor, isto é, não é sinónimo de que o autor pretendia descrever acontecimentos.
    Eu posso escrever uma obra de ficção original. Mas daí a concluir que estou a descrever acontecimentos da vida real vai um grande passo.

    2. Morrer como mártir não é prova de nada.
    Veja-se os 19 homens que quiseram morrer em New York, em Setembro de 2001. O que provaram?

    3. Eu até poderia ser crente e ler os evangelhos de uma forma não literal (entendendo que nada daquilo aconteceu no mundo real, que se trata apenas de ilustração de um mundo superior, divino, p.ex)
    Era assim que os cristãos originais entendiam!

    4. É com grande probabilidade que existiram apóstolos em Jerusalém antes de Paulo. Eles reclamavam para si uma capacidade de comunicar com um filho de Deus que viria resgatar os judeus.
    Paulo reconhece que estes apóstolos tiveram visões (apocalipses) do filho de Deus - tal como ele próprio teve mais tarde. Mas vemos claramente Paulo a rivalizar com estes.
    Como seria possível um homem que nunca esteve com Jesus rivalizar com os outros que eram AMIGOS ÍNTIMOS de Jesus e que conviveram, comeram, beberam, pregaram com Jesus?
    Só há uma resposta - os apóstolos de Jerusalém não estiveram assim tão perto de Jesus como os evangelhos os retratam.

    5. "São Paulo nunca revela nada que tenha percebido de Jesus"??
    - Paulo disse que foi o "Senhor" que lhe ensinou sobre a eucaristia (1 Coríntios 11:23 a 25 )
    - Paulo diz que conhece o evangelho (as boas novas) porque o "Senhor" lhe revelou - não o recebeu de nenhum homem (Gálatas 1:11 e 12)

    6. Sim, Pedro transforma-se numa espécie de anedota em Marcos (aliás todos os apóstolos da Galileia são ridicularizados em Marcos; porque será?), mas Pedro e os outros são de certa forma reabilitados nos outros evangelhos.

    Obrigado

    ResponderExcluir
  13. 1.Mas como consegue saber as intenções do autor? Como as descobriu? E acha que faz sentido isolar a(s) obra(s) de tudo o que se passa à volta?

    2. Esses homens morreram para matar, a acreditar numa mentira que lhes foi contada. Uma mentira propagada durante muitos anos, e que bastaria o uso da recta razão para a desmentir. Os motivos são políticos, a religião só está lá para disfarçar. Nos apóstolos, estamos a falar de homens que dum momento para o outro (supostamente) decidiram todos inventar uma história, abandonar as suas vidas, e serem mortos para a defender. O único que não morreu mártir foi S.João.

    3. Os cristãos “originais” não tinham evangelho. Tinham o testemunho directo dos que tinham convivido com Jesus. Mas com o passar do tempo tornou-se necessário escrever o que aconteceu.

    4. Se estudou minimamente a história de Israel, sabe que NENHUM judeu ia dizer que existia um filho de Deus. Aliás, Jesus foi morto exactamente por isso. Isto era impensável, daí que seja impossível ter sido inventado naquele meio.

    Não percebo isso da rivalidade. Havia discussões? De certeza, sempre onde há homens há discussões. Mas se leu atentamente, percebe que Paulo se submete a Pedro, depois de o criticar. Porque sabe que foi Pedro o escolhido para ter o primeiro lugar no colégio apostólico. Se os apóstolos nunca viram Jesus, viram quem? Um amigo invisível? E volta a usar o novo testamento como autoridade numa coisa (menor) sem ser autoridade na simples existência de Jesus.

    5. São Paulo diz que recebeu esse conhecimento, mas não diz ao certo o que viu nessa visão. Apenas que Jesus lhe disse que Paulo O estava a perseguir, identificando os cristãos consigo mesmo.

    6. Sabe que Marcos é tratado por Pedro como “meu filho”, em 1 Pe 5,13? E que são Marcos é apontado pela tradição como tendo seguido Pedro?

    7. E S.Inácio de Antioquia?

    ResponderExcluir

  14. 1. A leitura dos evangelhos do NT fica mais clara se pensarmos que não foram escritos para descrever acontecimentos.
    Eu pergunto: como é que sabe que os evangelhos foram escritos para descrever acontecimentos?


    2. Os 19 homens morreram porque eram fanáticos e queriam morrer pela sua fé tendo uma promessa de recompensa num paraíso.
    O cristianismo valorizava o martírio nos primeiros séculos. As histórias de martírio são sempre muito comoventes.
    Mas os critérios que levavam à perseguição dos cristãos eram os mesmos que levavam à perseguição dos judeus - a dificuldade de conviver em conformidade com sociedades politeístas.
    As primeiras comunidades cristãs nasceram nas comunidades judaicas da Diáspora. Nos primeiros tempos era muito difícil distinguir entre um cristão e um judeu (para quem era de fora dessas comunidades, nomeadamente as autoridades políticas).
    Vê-se que as cartas de Paulo têm muito de judaísmo: basicamente falam de um novo judaísmo aberto a gentios (sem etnismos ou racismos).


    3. Porque é que Jesus não colocou a sua missão logo por escrito?
    Porque é que teve de "aparecer" inúmeras vezes para revelar e esclarecer detalhes com os apóstolos?

    Uma boa parte da literatura cristã dos primeiros séculos trata de revelações de um Cristo celestial:
    ano 90- 95 Apocalipse de João (faz parte do canon do Novo Testamento)
    ano 100-150 Apocalipse de Pedro (faz parte do canon Muratoriano)
    ano 120-180 Apocalipse de Tiago
    ano 150-300 Apocalipse de Paulo (em cóptico)
    ano 180-250 outra Apocalipse de Tiago
    ano 200-300 Apocalipse de Pedro (em cóptico)


    4. "NENHUM judeu ia dizer que existia um filho de Deus"
    Em João 8:39-41 Jesus está a falar com uns judeus. Estes respondem a Jesus:
    "Nós não somos filhos ilegítimos [ou de prostituição]. O único Pai que temos é Deus"
    Portanto temos um conjunto de judeus a declararem-se filhos de Deus.

    Quanto à rivalidade de Paulo com os apóstolos, respondi em comentário no outro post (clique aqui).

    Quanto à autoridade do Novo Testamento, só não considero os evangelhos como relato de acontecimentos. No entanto servem para aferir o que os autores e, em geral, as pessoas da época pensavam quando foram escritos.

    Quanto às cartas de Paulo são textos apresentados na primeira pessoa - servem, pelo menos para tentar caracterizar Paulo segundo as suas próprias palavras.
    Em sete das cartas identificadas como sendo de Paulo existe pouco para duvidar que foram escritas por um homem chamado Paulo que fundou comunidades cristãs em Roma, Grécia e Asia-Menor.
    As sete cartas são Romanos, 1 e 2 Corintios, Galatas, 1 Tessalonicenses, Filipenses e Filemon.


    5. Então como é que Paulo soube as coisas do cristianismo, se também disse que nenhum homem o ensinou?


    6. Como é que sabe que essa carta foi escrita por Pedro, aquele mesmo que Paulo chama de Cefas?


    7. Inácio de Antioquia foi testemunha dos acontecimentos?


    ResponderExcluir
  15. 1.Porque sabemos onde nasceram, e o que nos contam é exactamente o que aquela gente sabia, e que lhes foi contado directamente pelos apóstolos.

    2.Tenho pena, mas tenho que dizer que o seu conhecimento do judaísmo é muito pobre. Dizer que as cartas de Paulo têm alguma coisa a ver com a fé judaica é um insulto para qualquer judeu, não tanto para um cristão. Esses 19 homens não morreram mártires, morreram para matar, são assassinos, e isso é muito diferente. Os cristãos louvam o martírio enquanto injustiça, e testemunho de dar a vida pelo outro.

    3.São Tomás dizia que Jesus não escreveu nada porque:
    - lhe convinha ensinar da forma mais perfeita, pela vida, palavras, e acções;
    - porque não ia restringir a sua doutrina a um livro;
    - porque o cristianismo não é uma religião do livro, mas sim o seguimento duma pessoa.

    4.Filhos como povo eleito de Deus, mas nunca filhos como imagem do Pai, como Jesus diz que era.

    O Sumo Sacerdote disse-lhe: «Intimo-te, pelo Deus vivo, que nos digas se és o Messias, o Filho de Deus.» 64Jesus respondeu-lhe: «Tu o disseste. E Eu digo-vos: Vereis um dia o Filho do Homem sentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu.»
    65Então, o Sumo Sacerdote rasgou as vestes, dizendo: «Blasfemou! Que necessidade temos, ainda, de testemunhas? Acabais de ouvir a blasfémia. 66Que vos parece?» Eles responderam: «É réu de morte.» 67Depois cuspiam-lhe no rosto e batiam-lhe. Outros esbofeteavam-no, dizendo: 68«Profetiza, Messias: quem foi que te bateu?» (capítulo XXVI de São Mateus)

    5.Porque Paulo quando se converteu conheceu os apóstolos todos, ora essa. Teve os testemunhos em primeira mão.

    6.Da mesma maneira que sabe que o Josefo escreveu as crónicas do Josefo.
    7. É só ver o currículo deste senhor: http://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Antioquia

    ResponderExcluir
  16. 1. "Porque sabemos onde nasceram" ???
    ... sabemos onde nasceram os evangelhos?

    "e que lhes foi contado directamente pelos apóstolos"
    - quem conta um conto...


    2. "é um insulto para qualquer judeu, não tanto para um cristão."
    É um insulto, se eu disser:
    - que 80% da Bíblia Cristã é constituida pelo Antigo Testamento que é literatura do judaismo?
    - que Jesus diz, no evangelho, que não veio para mudar a lei do judaísmo?
    - que nas cartas paulinas, encontram-se mais de 180 citações do Antigo Testamento?

    Quanto aos 19 terroristas concordo que são assassinos, mas eles certamente achavam que os americanos eram inimigos de Deus, e assim estariam a morrer fazendo a vontade de Deus.


    3. "São Tomás dizia que Jesus não escreveu nada porque: ..."
    Então devemos presumir que os que escreveram os textos do Novo Testamento foram contra a vontade de Jesus.


    4. Citação de Mateus 26
    Engraçado como os sacerdotes perguntam se Jesus é o Filho de Deus, mas Jesus responde referindo-se a um Filho do Homem!
    a charada do Julgamento de Jesus:
    - julgado como Filho de Deus
    - mas promete a vinda de um Filho do Homem
    - os judeus pedem a libertação de um Barrabas - Filho do Pai (bar Abbas) - em vez de Jesus


    5. "Teve os testemunhos em primeira mão."
    Então Paulo mentiu quando disse que nenhum homem lhe ensinou o evangelho.
    Noutra ocasião disse que foi o "Senhor" que lhe ensinou a eucaristia - Essa eucaristia está relatada nos evangelhos sinopticos no episódio da ultima ceia.
    Os apóstolos estavam lá na última ceia? e ensinaram ou não ensinaram Paulo?


    6. "Da mesma maneira que sabe que o Josefo escreveu as crónicas do Josefo"
    Certamente não da mesma meneira!
    Existe informação suficiente para se datar com algum rigor as obras de Josefo, mas os escritos cristãos permanecem numa penumbra de datas e autoria suspeita.
    Existiu muita pseudigrafia - escritos por anónimos em nome de um autor ou personagem reputado.

    A pseudigrafia hoje em dia seria considerada fraude, mas naquele tempo era considerado um "estilo".




    7. "http://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Antioquia"

    Vou salientar duas partes que achei importantes:
    7a)
    "Os discípulos de Jesus eram chamados de nazarenos, vistos como uma seita dentro do judaísmo."
    Isto significa que um membro dessa seita seria designado de nazareno, mesmo que nunca tivesse posto os pés na localidade da Nazaré!
    Em Actos 24:5, Paulo é referido como "nazareno".
    Ou seja, Jesus, existindo, podia ter sido "nazareno" mas não necessariamente da Nazaré!
    "nazareno" quer dizer "ramo", "broto" ou "rebento" - não necessariamente "natural da Nazaré"

    7b) Docetismo
    Na Carta aos Esmirniotas, Inácio revela preocupação com os docetistas - cristãos que acreditavam que o Cristo nunca encarnou - apenas apareceu.
    Se no tempo de Inácio, tão perto dos acontecimentos, havia quem duvidasse que o Cristo se tinha tornado em homem... o que posso eu mais acrescentar?

    ResponderExcluir
  17. 1.Se vamos por aí, só acredita no que vê. Bravo!

    2.Não está a perceber: Paulo andava a matar cristãos porque o cristianismo era a pior das blasfémias, um homem que se diz Deus. Depois as cartas de S.Paulo afirmam essa verdade que é um “escândalo para os judeus” 1Cor 1, 23.

    3.Não, porque os ensinamentos de Jesus não estão todos contidos no Novo Testamento, mas na Revelação.

    4.Filho do homem está a referir-se a si próprio, porque é homem. Em hebraico dizer “filho de…” quer dizer o que a pessoa é. Mas diz que está à direita de Deus, ou seja diz-se Deus, daí ser blasfemo.

    5.Paulo teve a visão, a caminho de Damasco. Só depois conheceu os apóstolos. A eucaristia era feita pelos cristãos desde o princípio, não foi Paulo que lhes ensinou.

    6.Todo o novo testamento surge entre 50 e 150 d.C., temos tanta certeza disso como dos escritos de Josefo.

    7.a) E assim se prova que Jesus não existou. Finalmente, 2000 anos depois chegou um génio à Terra.

    b) Sempre houve incrédulos, não leu a passagem sobre Tomé?

    ResponderExcluir
  18. 1. Acredito em provas (visíveis, invisíveis, audíveis, inaudíveis, etc)

    2. Engraçado que Paulo, no fim da sua carreira de divulgador do cristianismo, revela que é e sempre foi fariseu:
    Actos 23:6 ... irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus;

    3. ver resposta do 6.

    4. Muito bonito, mas "filho do homem" é uma citação de Ezequiel, onde o próprio é referido como "filho do homem".

    5. Então quem ensinou a eucaristia a Paulo?

    6. E estes escritos? Quem os escreveu?
    50-140 Evangelho de Tomé
    70-160 Evangelho de Pedro
    70-160 Evangelho Secreto de Marcos
    80-120 Carta de Barnabé
    80-150 Evangelho dos Egipcios
    80-150 Evangelho dos Hebreus
    100-150 Apocalipse de Pedro
    100-150 Livro Secreto de Tiago
    100-150 Pregação de Pedro
    100-160 Evangelho dos Ebionitas
    100-160 Evangelho dos Nazarenos
    120-180 Evangelho de Maria
    120-180 Evangelho do Salvador
    130-170 Evangelho de Judas
    140-170 Evangelho de Tiago sobre a infância
    140-170 Evangelho de Tomé sobre a infância
    140-180 Evangelho da Verdade
    150-200 Actos de Pedro
    150-200 Actos de João
    150-200 Actos de Paulo
    150-200 Actos de André
    150-225 Actos de Pedro e dos doze
    150-300 Apocalipse de Paulo
    150-400 Actos de Pilatos
    170-220 Carta de Pedro para Filipe
    180-185 Actos de Apolonio
    180-250 Apocalipse de Tiago
    180-250 Evangelho de Filipe
    200-225 Actos de Tomé
    200-300 Apocalipse de Pedro


    7.
    a) Então o que eram os nazarenos (nazareus)?
    E Jesus é chamado nazareno, porquê? E Paulo era chamado nazareno, porquê?

    b) "não leu a passagem sobre Tomé?"
    É totalmente diferente.
    Os evangelhos dizem que Tomé não acreditou que um homem Jesus Nazareno tivesse ressuscitado.
    Inácio preocupa-se com pessoas que se diziam crentes em Cristo que não acreditavam sequer num homem Jesus Nazareno. Diziam que o Cristo revelou-se ou "apareceu".

    ResponderExcluir
  19. Errata
    4. .... mas "filho do homem" é uma citação de Daniel.
    Em Ezequiel é utilizada muitas vezes para se referir ao próprio Ezequiel.

    ResponderExcluir
  20. Olá, amigo Paulo Jorge Ramos,

    Lendo os relatos relacionados no primeiro quadro, percebe-se o seguinte:

    Todas as mulheres relacionadas foram testemunhas do ocorrido, entretanto, os relatos se complementam dando mais detalhes da sequência dos fatos, segundo a visão de cada uma delas.

    Houve um terremoto, no qual as mulheres se aproximaram juntamente com os guardas, no que viram uma anjo assentado sobre a pedra. Ao adentrar o túmulo, perceberam que havia ali mais um anjo assentado à direita. Ao final eram dois anjos aos quais as mulheres temeram, abaixando o rosto ao chão. Mateus 28:2 tratar-se ia de uma conclusão do escritor do evangelho, baseado nos relatos.

    As características dos anjos também se complementam, ao final possuíam vestes brancas e tinham o aspecto de relâmpago, ou com vestes brancas resplandescentes o que teria o mesmo aspecto.

    João 20:4-14 fala de outro evento, após as mulheres relatarem aos discípulos de Jesus, incluindo apóstolos, sobre o ocorrido. Onde Maria então viu aqueles dois anjos, porém agora, ambos assentados onde jazera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.

    Marcos 16:9 nos dá conta de que Jesus apareceu primeiro à Maria Madalena, Mateus 28:9 nos dá detalhes de que ela corria para avisar aos discípulos acerca de Jesus, complementando ainda de que a outra Maria também estava com ela.

    Lucas 24 fala de uma posterior aparição de Jesus a alguns de seus discípulos, que na ocasião não O reconheceram.

    João 20:4-14 nos conta que Maria Madalena realmente viu Jesus duas vezes, a primeira enquanto corria para avisar aos discípulos, e a segunda depois de levar os discípulos ao túmulo, quando então adentrou mais uma vez ao mesmo, percebendo os dois anjos agora sobre o lugar onde Jesus jazera, quando então voltou-se para trás e viu Jesus.

    De modo que a mesma notícia sobre um mesmo acontecimento foi dado por várias mulheres, que não puderam, cada uma, dar um relato completo do ocorrido a cada um dos discípulos que receberam a notícia. Portanto, longe dos relatos se contradizerem, eles se complementam, onde juntando todos os relatos temos uma descrição mais completa do ocorrido.

    O amigo considera que esta junção do quebra cabeça possa estar correta?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Posso indicar algumas dificuldades:
      1) quando alguém diz que viu um anjo - afinal o que é isso de ver um anjo? como é que sabe que viu um anjo? todos os rapazes vestidos de branco são anjos?

      2) Mateus menciona um terremoto com força suficiente para fender pedras. Como é que os outros três evangelistas não acharam importante referir isso?

      Será que os evangelistas estavam a relatar acontecimentos? Ou estavam simplesmente a tentar re-escrever um texto anterior?
      Existe uma hipótese muito forte de os evangelhos Mateus e Lucas serem baseados em Marcos.

      Abraço

      Excluir
    2. Creio que a conclusão que tinham sobre se tratar de um anjo derivava das características físicas incomum, não as vestes brancas em si, mas o fato de possuírem vestes reluzentes, ou terem a aparência de relâmpago.

      E também do propósito a que serviram, pois a palavra anjo significa 'mensageiro', portanto é um título dado primordialmente à sua função, ao invés da aparência. Para os isralitas os anjos seriam então sempre um mensageiro de Deus, o que era juntamente a função que aqueles dois rapazes estavam exercendo ao entregarem a mensagem, em um primeiro momento, de que Jesus não estava mais ali no túmulo e, em um segundo momento, de que havia ressuscitado. Por experiência anterior, na história de Ló e Abraão, onde anjos (mensageiros) costumeiramente apareciam na forma humana (sem o aspecto reluzente), também foram chamados de anjos, devido a serem tidos como mensageiros da parte de Deus.

      Portanto creio que o aspecto reluzente daqueles jovens no túmulo apenas reforçaram a origem daqueles rapazes. Eram anjos portanto em uma forma mais gloriosa.

      Segundo Mateus 28:2, o terremoto foi causado pela remoção da pedra à porta do túmulo por parte do anjo. Esta provavelmente seria uma conclusão do próprio evangelista, em vista dos relatos.

      Excluir
    3. (...) Esqueci de mandar-lhe os cumprimentos.

      Um abraço meu amigo, e saúde.

      Excluir
  21. ” Jesus Cristo não é daqui,
    desta Terra , e de nenhuma outra galáxia deste Universo visível. Ele é de uma outra dimensão , um outro Universo, que
    nossos melhores telescópios , não poderão jamais captar sua imagem, pois trata-se de uma dimensão totalmente espiritual,
    onde estes olhos carnais,não podem enxergar. Cristo se fez carne , sem pecado, e dentro dessa matéria, havia um espírito, luz , energia, como se preferir,
    tão poderoso , que no Monte da transfiguração , podemos constatar isso : seu rosto resplandeceu como o sol e seus vestidos brancos como a luz.
    Podemos observar o poder que estava nele.
    Nesse momento da transfiguração , o que ocorreu com a sua matéria? Ela se fundiu com o seu espírito. Ele tinha esse poder para tal, pois Nele não havia o pecado(morte da carne).
    Para quem crê em anjos, esses seres de pura energia, também têm o poder de materialização.
    Cristo irradiava virtudes, energia divina até pelos seus poros, devido à grandeza do seu espírito, pois afinal , sendo Filho de Deus , ele também era e é Deus.
    Podemos verificar isso , naquela parte , onde a mulher que tinha o fluxo de sangue lhe toca para obter a cura, e Jesus imediatamente diz que alguém Lhe tocou , pois dele saiu virtude.
    Cristo curou e ressuscitou a muitos, e também tinha poder para fazer o mesmo consigo, mesmo que chegasse à morte , como ocorreu na cruz.
    Em certo trecho da Biblia , ele diz:…” O Pai tem a vida em si mesmo , e deu para o filho também ter a vida em si mesmo'.
    Sua missão não foi gerar uma descendencia , pois como ele mesmo disse : …”derramarei do meu sangue , e resgatarei a muitos.”
    Cristo , nos seus ultimos dias disse aos seus díscipulos , que após todos aqueles acontecimentos que iria lhe ocorrer , partiria junto ao Pai; e que os discípulos os amassem de verdade, deveriam
    se exultar com isso e não chorarem pela sua ausencia. O fato de não existirem provas materiais , como sepultamento do seu corpo é justamente porque a sua carne não conheceu a morte. O homem nasceu em pecado e morre; porque o pecado gerou a morte. Mas Cristo nasceu sem pecado ; foi obra do espírito Santo. Por ser um Ser sem pecado , ofereceu seu corpo em sacrifício para perdão dos pecados da humanidade. Um pecador não poderia salvar outro pecador. Porisso Ele (divino) veio habitar em um corpo puro para tal missão.Como Cristo não tinha pecado , Ele tinha o poder de interagir sua carne com o espírito conforme vimos no monte da Transfiguração.Ele realmente morreu , mas como Ele era é e a Ressurreição e a Vida houve esse milagre com si próprio.

    ResponderExcluir
  22. Sou cristã , creio em Deus e no seu Filho Jesus , Salvador. Já tive várias experiencias com Jesus, que quase se torna indescritível. Pude sentir o seu ser maravilhoso, extremamente bondoso ,fonte de felicidade e vida e amor. Ñada pode abalar o que vivenciei: foi tão real como eu existo.Ele é o nosso melhor amigo intimo que podemos ter, nosso Salvador.Ele existe, em espírito e é tremendamente poderoso e grandioso.
    Embora a nossa matéria não se recorda dela , pude sentir que o meu espírito O conhecia há muito tempo. Senti que o amava imensamente.Aliás , todos nós , nossos espíritos O conhece. Quando viemos para essa terra, houve um véu do esquecimento. Não lembramos de nada do outro lado. Através do Evangelho graça Dele, vai sendo tirado aos poucos esse véu , e vamos aos poucos se aproximando dele. Porisso Ele mesmo disse: aquele que me procurar , me buscar de um sincero coração , de maneira nenhuma o jogarei fora.Mas , nem todos crêm em sua existencia. Em certo trecho da Biblia diz: sê creres , verás a glória de Deus.È preciso crer , ter fé.
    Se não o conhecermos aqui , o veremos do outro lado. Esse encontro vai ser inevitável. Todos o verão. Nossos espíritos têm um conhecimento tão profundo das cousas que concernem ao Criador , que nossa mente não pode esquadrinhar. Isso vem de eternidades .`Mais esse conhecimento foi restringido aqui na terra, quando encarnamos, e existe uma razão para isso. O Evangelho de cristo nos desperta . Porisso Ele mesmo disse: buscai primeiro o reino dos céus , e as demais cousas serão acrescentadas. Pude observar nessas experiencias, que tudo que fazemos aqui, pensamentos, palavras ,atos ficam retidos. Quando sairmos daqui, teremos toda a nossa vida recapitulada.Só que veremos nosso atos com um expectador, de fora, olhando para nós mesmos , com uma outra visão bem mais completa, cheia de conhecimento , que é a visão da alma. Vamos sentir , na alma , o que nossos atos, palavras surtiram sobre as pessoas ao nosso redor.
    Se forem cousas boas, se deixamos as pessoas mais felizes, fizemos o bem , tudo o que elas sentiram , vamos sentir em nós próprios. cousa que aqui passa despercebido.Somente a luz de cristo , nos fará aperceber , e tomarmos cuidado com nossas atitudes aqui. Agora, se nossas atitudes e palavras foram negativas em relação as pessoas , sentiremos tudo isso em nós , e aí será o sofrimento. Porque nosso espírito não vê , não pensa como a nossa carne. Muitos não crem em jesus cristo, falam mal dele , blasfemam , e tudo mais; seu amor por essas pessoas não alterará jamais., pois é um amor incondicional. Só que quando estivermos na sua presença , do outro lado , tudo isso será vivenciado... e a dor do espírito será muito forte , doloroso , quando testificarmos que ele não merecia nada disso! Que bom, se abrissimos o coração para compreender essas cousas , enquanto estamos aqui na Terra! Se buscássemos ao nosso verdadeiro amigo, com sinceridade Ele se achegará a nós! Sua Luz , resplandecerá sobre nós , e veremos como nossos conceitos estão totalmente distorcidos sobre Ele! Maria


    ResponderExcluir
  23. Em14 S.João vs.28 , Jesus diz: "Vou para o Pai , porque o Pai , é maior do que eu. Na verdade , quem lhe dava poder , era Deus, assim como Jesus tinha "poder" para dar aos seus díscipulos... Sendo Filho de Deus, ele tambem era Deus.
    Deus colocou Jesus como único Intercessor entre Ele e os homens , porisso Cristo disse : Sou o Caminho , a Verdade e a vida
    e ninguém vem ao pai senão por Mim.
    Em 5 de São Lucas , diz: " Pois assim , como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer. E também o Pai ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo.
    Para que todos honram o Filho,como honram o Pai. Porisso , Ele mesmo disse: Me é dado todo o poder, nos céus e na terra. O Pai, se comprazeu em ser assim, em derramar sobre Jesus , todo o Seu Poder, porisso Cristo se igualou a Ele, mais sem soberba , reconhecendo que tudo vinha do Pai(esse poder , virtudes , etc...) . Diante de todo esse poder, igual ao Pai , Ele também pode ser chamado de Deus

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...