sábado, 25 de maio de 2013

Paulo - Jesus Cristo ou apenas Cristo?




Jesus, Jesus Cristo, Cristo Jesus ou apenas Cristo?

Será que Paulo chamava Jesus ao seu Cristo Filho de Deus? Nas suas cartas podemos ver as expressões “Jesus Cristo”, “Cristo Jesus” ou as designações simples “Jesus” e “Cristo”. No seguinte quadro, podemos ver a frequência de cada expressão com a qual Paulo se referia ao destinatário da sua devoção nas sete cartas consideradas genuínas (1 Tessalonicenses, Filipenses, Gálatas, 1 e 2 Coríntios, Romanos e Filemon):

Baseado no texto de Westcott-Hort:

Designação
Ocorrências
Percentagem
“Cristo Jesus”
50
16%
“Jesus Cristo”
51
17%
“Jesus”
41
12%
“Cristo”
167
54%
Total
309
100%



Tendo em conta que a designação isolada de “Cristo” é a mais frequente, podemos lançar a hipótese que a designação “Jesus” poderá ter sido posteriormente justaposta ao lado da designação “Cristo” onde seria conveniente com vista a harmonizar o Cristo de Paulo com o Jesus dos evangelhos.

Imaginemos que as cartas de Paulo não continham originalmente a designação “Jesus”, ou seja, que todas as referências consistissem na designação “Cristo” isoladamente. Ora, os textos eram escritos à mão em colunas e também eram reproduzidos por cópia manual. Normalmente, o copista tentava manter na sua cópia a disposição que encontrava no original. Se o copista fosse pressionado (pelo seu patrono ou pelo seu próprio zelo) para harmonizar as cartas de Paulo com os evangelhos, primeiro faria o seguinte com o original que estaria em seu poder (para depois não ser acusado de mau copista):

-          se a palavra “Cristo” coincidia com o início de uma coluna, era fácil inserir “Jesus” à esquerda (aproveitando a margem) para formar a expressão “Jesus Cristo”;

-          se a palavra “Cristo” calhava no fim de uma coluna, poderia inserir “Jesus” à direita para formar a expressão “Cristo Jesus”;

-          se a palavra “Cristo” ocorria no meio de uma coluna, tendo em conta que os escribas antigos não deixavam espaço entre as palavras, não era fácil inserir a palavra no original mas, mesmo assim, o zelo poderia fazer o copista transcrever a expressão “Jesus Cristo” para a sua cópia, o que explicaria a maior frequência da expressão “Jesus Cristo” face à expressão “Cristo Jesus”;


-          a designação “Jesus” ocorre também separadamente ou em conjunto com “Senhor” (gr. Kurios);


É de salientar que em muitos manuscritos (como, por exemplo, o Codex Sinaíticus) os "Nomes Sagrados" - Jesus, Cristo, Deus, Deus Pai, etc - aparecem como abreviaturas de apenas duas letras!


Português
Grego
Nominativo
Genitivo (possessivo)
Deus
Θεός
ΘΣ
ΘΥ
Senhor
Κύριος
ΚΣ
ΚΥ
Jesus
Ἰησοῦς
ΙΣ
ΙΥ
Cristo
Χριστός
ΧΣ
ΧΥ
Filho
Υἱός
ΥΣ
ΥΥ
Cruz
Σταυρός
ΣΤΣ
ΣΤΥ
Pai
Πατήρ
ΠΗΡ
ΠΡΣ




Ora, palavras de apenas duas letras são fáceis de incluir em novas cópias manuscritos! Para acrescentar Jesus bastaria acrescentar ΙΣ ou ΙΥ e o Cristo de Paulo ficaria automaticamente o Jesus dos evangelhos.


Referências:
http://en.wikipedia.org/wiki/Nomina_sacra - Referência às abreviaturas sagradas
http://www.codexsinaiticus.org/en/ - Codex Sinaíticus
http://www.byztxt.com/downloads.html - Texto grego de Westcott and Hort


2 comentários:

  1. Fiquei a mesmíssima impressão lendo a cópia do Livro das Revelações contido no Codex Sinaíticus. Notório por estar incluso nos primeiros séculos as escrituras, depois ter sido excluído e em versões posteriores ter voltado ao códice canônico. Para pior, é notório a imensa quantidade de falsificações e excertos posteriores, muitos já admitidos pela igreja, aos séculos II e III por parte dos copistas cristãos.

    ResponderExcluir
  2. Sim, com a excepção dos Evangelhos e Atos, não devia haver Jesus em nenhum dos textos do Novo Testamento.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...