domingo, 14 de fevereiro de 2016

Inanna - ressuscitou ao fim de três dias





Inanna - ressuscitou ao fim de três dias


Inanna era a deusa suméria do amor, beleza, sexo, fertilidade, conhecimento, sabedoria, guerra e combate, sendo associada ao planeta Vénus.

Era especialmente venerada em Ur e Uruk, mas era alvo de culto em todas as cidades sumérias. Foi uma das divindades com o culto mais difundido de todo o antigo panteão sumério.

O nome de Inanna deriva de Senhora dos Céus (sumério: nin-an-ak).
Na mitologia suméria, Inanna era irmã do deus-sol Utu, e casou-se com o pastor Dumuzid (Tamuz).

Tem como equivalentes as deusas semitas da Mesopotâmia (Ishtar) e de Canaã (Asterote e Anat), tanto em termos de mitologia como de significado.

Surge em praticamente todos os mitos, sobretudo pelo seu carácter de deusa do amor (embora seja por vezes referida como a virgem Inanna, Ishtar, Anat ou Asterote).


Descida de Inanna ao submundo

Dentro do estilo katabasis (jornada de descida), a viagem ao submundo é um tema da mitologia encontrado num grande número de religiões de todo o mundo. O herói ou divindade do mundo superior viaja para o submundo ou para a terra dos mortos e retorna, muitas vezes com um objecto de busca ou um ente querido, ou com conhecimento elevado. A capacidade de entrar no reino dos mortos enquanto ainda está vivo, e retornar, é uma prova do estatuto excepcional do herói clássico como mais do que mortal. Uma divindade que retorna do submundo demonstra temas escatológicos como a natureza cíclica do tempo e da existência, ou a derrota da morte e a possibilidade da imortalidade.
Para completar o ciclo da existência, a katabasis deve ser seguida por uma anabasis (jornada de subida) a fim ser considerado uma katabasis verdadeira em vez de uma morte.

A história da descida de Inanna ao submundo é uma composição relativamente bem atestada e reconstruída a partir de vários manuscritos, alguns com origem no século XVIII AEC.

Neste mito, Inanna é capaz de, ao contrário de qualquer outra divindade, descer para o submundo e voltar para os céus. O planeta Vénus parece fazer uma descida semelhante, estabelecendo-se no Ocidente e depois subindo novamente no Leste.

Na religião suméria, o submundo era concebido como um lugar escuro e sombrio; uma casa para heróis falecidos e pessoas comuns. Enquanto todos esperam uma eternidade de sofrimento em condições severas, certos comportamentos enquanto vivos, nomeadamente a preocupação de criar uma família para servir ofertas aos mortos, poderiam aliviar um pouco as condições do além.

A razão de Inanna para visitar o mundo subterrâneo não é clara. A razão que ela dá ao porteiro do submundo é que ela quer assistir às exéquias do seu cunhado, marido da sua irmã Ereshkigal (rainha do submundo). Noutras versões do mito parece que Inanna vai ao submundo resgatar o seu amante Dumuzid - como a deusa se tivesse apaixonado pelo jovem Dumuzid e, tendo este morrido, a deusa desce aos Infernos para o resgatar dos mortos, para que este pudesse dar vida à humanidade, agora transformado em deus da agricultura e da vegetação.

Nesta história, antes de sair, Inanna instruiu o seu ministro e servo, Ninshubur, para pleitear com as divindades Enlil, Nanna e Enki para salvá-la, se alguma coisa desse errado. As leis do submundo ditam que, com excepção de mensageiros designados, aqueles que entram nele nunca poderiam sair.

Inanna veste-se modo muito elaborado e sexy, demonstrando poder e feminilidade: uma touca, uma cabeleira, um colar de lápis-lazúli, contas sobre o peito, um vestido de Senhoria, rímel, peitoral, um anel de ouro na sua mão, e segurava uma régua de lápis-lazúli. Talvez as roupas de Inanna, inadequadas para um funeral, juntamente com o seu comportamento altivo, suspeitem Ereshkigal.

Seguindo instruções de Ereshkigal, o porteiro diz a Inanna que ela pode entrar no primeiro portão do submundo, mas ela deve entregar a sua régua de lápis-lazúli. Ela pergunta por que, e é dito "São as regras do Submundo". Ela obedece e passa. Inanna passa através de um total de sete portões, em cada um é removida uma peça de roupa ou de jóia que vestira no começo de sua viagem, assim desnudando dela o seu poder. A sequênca desenrola-se quase como um lento strip-tease.

Quando ela chega à presença da sua irmã, está nua. Ela fez com que sua irmã Ereshkigal se levantasse de seu trono, e sentou-se no seu trono. Depois de um rápido julgamento Inanna foi transformada num cadáver e pendurada num gancho.

Três dias e três noites se passaram, e Ninshubur, seguindo as instruções, foi aos templos de Enlil, Nanna e Enki, e exigiu que poupassem Inanna. As duas primeiras divindades recusaram, dizendo que Inanna tinha morrido por sua própria vontade, mas Enki, profundamente perturbado, concordou em ajudar. Ele criou duas figuras - Gala-tura e Kur-jara - a partir da sujidade das unhas. Instruiu-os a apaziguar Ereshkigal e, quando questionados sobre que eles queriam, deveriam pedir o cadáver de Inanna e polvilhar com a planta e a água da vida. No entanto, quando chegam perante Ereshkigal, ela está em agonia como uma mulher em trabalho de parto, e ela oferece-lhes o que eles querem, incluindo rios vivificantes de água e campos de cereais, em troca de alívio; No entanto eles levam apenas o cadáver.

As coisas correram como Enki previu: Gala-tura e Kur-jara conseguem ressuscitar Inanna. Os demónios de Ereshkigal, acompanhando a saída de Inanna do submundo, insistiram que ela não estava livre para sair até que alguém lá ficasse no seu lugar. Eles primeiro tentam levar Ninshubur. Inanna recusou-se, porque Ninshubur era seu fiel servo, que a tinha lamentado corretamente enquanto ela estava no submundo. Em seguida, encontraram Cara, a esteticista de Inanna, ainda de luto. Os demónios disseram que iriam levá-la, mas Inanna recusou, pois ela também tinha lamentado a sua morte. Em seguida aparece Lulal, também de luto. Os demónios prepararam-se para tomá-lo, mas Inanna recusou.

Em seguida, eles se apoderam de Dumuzid, o marido de Inanna. Em contraste com os outros três que devidamente lamentaram a morte de Inanna, Dumuzid foi encontrado ricamente vestido e descansando debaixo de uma árvore, ou no seu trono. Inanna, descontente, decreta que os demónios o levarão, usando uma linguagem que ecoa o discurso que Ereshkigal deu enquanto a condenava à morte. Dumuzid é então levado para o submundo.

Em outras recensões da história, Dumuzid tenta escapar de seu destino, e é capaz de fugir temporariamente dos demónios. Utu, o irmão de Inanna, o deus Sol, repetidamente intervém e transforma Dumuzid numa variedade de diferentes animais, permitindo que escape. No entanto, Galla, eventualmente, captura Dumuzid e arrasta-o para baixo para o Submundo. No entanto, Geshtinanna, a irmã de Dumuzid, por amor a ele, implora para ser tomada em seu lugar. Inanna decreta que Dumuzid vai passar metade do ano no submundo com Ereshkigal, e ela própria ficaria com ele na outra metade. Mas Inanna, exibindo seu comportamento tipicamente caprichoso, lamenta o tempo que Dumuzid passa no submundo. Ela revela isso num lamento assombroso da sua ausência de morte, porque "[ele] não pode responder ... [ele] não pode vir / a sua vocação ... o jovem se foi". Seus próprios poderes, nomeadamente os relacionados com a fertilidade, diminuem, para regressar em pleno, quando ele retorna do submundo depois de seis meses. Este ciclo encena a sucessão das estações.


Texto do Mito

A descida de Inanna ao mundo inferior 
Do grande céu ela focou-se sobre o grande profundo. Do grande céu a deusa focou-se no grande profundo. Do grande céu Inanna focou sua mente sobre o grande subterrâneo. Minha Senhora abandonou o céu, a terra abandonou, e desceu para o mundo inferior. Inanna abandonou o céu, abandonou a terra e desceu para o submundo. 
Ela abandonou o cargo de [....], abandonou o cargo de [....], e desceu para o submundo. 
Ela abandonou o E-ana em Unug, e desceu para o submundo. Ela abandonou o E-muc-kalama em Bad-tibira, e desceu para o submundo. Ela abandonou o Giguna em Zabalam, e desceu para o submundo. Ela abandonou o E-cara em Adab, e desceu para o submundo. Ela abandonou o Barag-dur-jara em Nibru, e desceu para o submundo. Ela abandonou o Hursaj-kalama em Kic, e desceu para o submundo. Ela abandonou o E- Ulmac em Agade, e desceu para o submundo.
[Um manuscrito adiciona 8 linhas: Ela abandonou o Ibgal em Umma, e desceu para o submundo. Ela abandonou ... e desceu para o submundo.] 
Ela tomou os sete poderes divinos. Ela recolheu os poderes divinos e os segurou na mão. Com os bons poderes divinos, ela seguiu seu caminho. Ela colocou uma touca, chapéu para o campo aberto, na sua cabeça. Ela colocou uma cabeleira na testa. Pendurou pequenas contas de lapis-lazuli em volta do pescoço.
Ela colocou pérolas gémeas em forma de ovo no seu peito. Ela cobriu o corpo com um vestido "pala", um vestido de Senhoria. Ela colocou rímel que é chamado "Deixa um homem vir, deixa-o vir" em seus olhos. Ela puxou o peitoral que é chamado "Vem, homem, vem" sobre seu peito. Ela colocou um anel de ouro em sua mão. Ela segurou a régua de lapislazuli e a linha de medição na mão. 
Inanna viajou para o submundo. Seu ministro Ninshubur viajou atrás dela.
Santa Inanna disse a Ninshubur:  
«Vem meu fiel ministro da E-ana, meu ministro que fala palavras justas, meu acompanhante que fala palavras de confiança [um manuscrito, em vez disso: Eu estou a dar-te instruções: minhas instruções devem ser seguidas, eu vou dizer uma coisa: deve ser observado].
Neste dia eu vou descer ao submundo. Quando eu cheguar ao submundo, faz um lamento para mim sobre os montes da ruína. Bate o tambor para mim no santuário. Faz as voltas das casas dos deuses para mim.
Fere teus olhos para mim, fere o nariz para mim [um manuscrito adiciona a linha: Fere teus ouvidos para mim, em público]. Em privado, fere tuas nádegas para mim. 
Como um mendigo, veste uma única peça de vestuário e sozinho põe o teu pé na E-kur, a casa de Enlil.
Quando entrares no E-kur, a casa de Enlil, lamenta para Enlil: "Pai Enlil, não deixes ninguém matar tua filha no submundo. Não deixes teu metal precioso ser ligado lá com a escória do submundo. Não deixes que teu precioso lapislázuli seja partido lá com a pedra do pedreiro. Não deixes que a tua madeira delicada seja cortada lá em cima com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo". 
Se Enlil não ajudar-te nesta questão, vai a Urim. No E-mud-kura em Urim, quando entrares no E-kic-nu-jal, a casa de Nanna, lamenta-te para Nanna: "Pai Nanna, não deixes ninguém matar tua filha no submundo. Não deixes teu metal precioso ser ligado lá com a escória do submundo. Não deixes que teu precioso lapislázuli seja dividido lá com a pedra do pedreiro. Não deixe que a tua madeira delicada seja cortado lá com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo ". 
E se Nanna não te ajudar neste assunto, vai para Eridug. Em Eridug, quando entrares na casa de Enki, lamenta-te para Enki: "Pai Enki, não deixes ninguém matar tua filha no submundo. Não deixes teu metal precioso ser ligado lá com a escória do submundo. Não deixes que teu precioso lapislázuli seja dividido lá com a pedra do pedreiro. Não deixes que a tua madeira delicada seja cortada lá com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo". 
Pai Enki, o senhor de grande sabedoria, sabe sobre a planta que dá vida e a água da vida. Ele é o único que vai me restaurar a vida.» 
Quando Inanna viajou em direção ao submundo, seu ministro Ninshubur viajou a atrás dela. Ela disse a seu ministro Ninshubur: 
  - "Vai agora, meu Ninshubur, e presta atenção. Não negligencies as instruções que te dei." 
Quando Inanna chegou ao palácio Ganzer, ela empurrou agressivamente a porta do submundo. Ela gritou agressivamente no portão do submundo: 
  - "Abre, porteiro, abre. Abre, Neti, abre. Estou sozinha e quero entrar." 
Neti, o chefe porteiro do submundo, respondeu a santa Inanna:  
  - "Quem és tu?" 
  - "Eu sou Inanna, caminhando para leste" 

  - "Se és Inanna indo para leste, por que viajaste para a terra de não retorno? Como puseste o teu coração na estrada cujo viajante nunca retorna?" 
Santa Inanna respondeu-lhe:  
  - "Porque o senhor Gud-gal-ana, o marido da minha irmã mais velha santa Ereshkigal, morreu; a fim de ter seus ritos funerários observados, ela oferece libações generosas na sua esteira - Essa é a razão." 
Neti, o chefe porteiro do submundo, respondeu a santa Inanna:  
  - "Fica aqui, Inanna Vou falar com minha Senhora. Eu vou falar com minha Senhora Ereshkigal e dizer-lhe o que tu disseste..." 
Neti, o chefe porteiro do submundo, entrou na casa de sua Senhora Ereshkigal e disse: 
  - "Minha Senhora, há uma menina solitária lá fora. É Inanna, tua irmã, e ela chegou ao palácio Ganzer. Ela empurrou agressivamente a porta do submundo. Ela gritou agressivamente ao portão do submundo. Ela abandonou E-ana e desceu para o submundo. 
Ela tomou os sete poderes divinos. Ela recolheu os poderes divinos e agarrou-os na sua mão. Ela veio no seu caminho com todos os bons poderes divinos. Ela colocou uma touca, chapéu para o campo aberto. Na sua cabeça, ela colocou uma cabeleira na testa. Pendurou pequenas contas lapislázuli em volta do pescoço. 
Ela colocou pérolas em forma de ovo gêmeas em seu peito. Ela cobriu o corpo dela com o vestido "pala" da senhoria. Ela colocou mascara que é chamado de "Que os homens venham" em seus olhos. Ela puxou o peitoral que se chama "Vem, homem, vem" sobre seu peito, ela colocou um anel de ouro em sua mão, ela está segurando a régua de lapis-lazúli e a linha de medição na sua mão".
Quando ouviu isso, Ereshkigal bateu na lateral da sua coxa. Ela mordeu o lábio e levou as palavras para o coração. Ela disse para Neti, seu chefe porteiro: 
  - "Vamos Neti, o meu porteiro-chefe do submundo, não negligencies as instruções que te dei. Deixas as sete portas do inferno serem ferradas. Então deixa cada porta do palácio Ganzer ser aberta em separado. Quanto a ela, depois que ela entre, agachada e as roupas removidas, elas serão levadas." 
Neti, o chefe porteiro do submundo, prestou atenção às instruções da sua Senhora. Ele ferrou as sete portas do submundo. Então ele abriu cada uma das portas do palácio Ganzer separadamente. Ele disse a santa Inanna: 
  - "Vamos, Inanna, entra."
E quando Inanna entrou, [um manuscrito acrescenta "a régua de lápis-lazúli e a linha de medição foram removidos da mão dela, quando ela entrou na primeira porta] a touca, chapelaria para o campo aberto, foi removida da sua cabeça.  
 - "O que é isso?"  
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando entrou no segundo portão, as pequenas contas de lápis-lazúli foram removidos do seu pescoço.  
 - "O que é isso?"
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando ela entrou no terceiro portão, as contas em forma de ovo gêmeos foram retirados do seu peito.  
 - "O que é isso?"  
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando ela entrou no quarto portão, o peitoral "Vem, homem, vem" foi removido de seu peito. 
 - "O que é isso?" 
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando ela entrou no quinto portão, o anel de ouro foi removido de sua mão. 
 - "O que é isso?"  
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando ela entrou no sexto portão, a régua de lápis-lazúli e a linha de medição foram removidos de sua mão.  
 - "O que é isso?"  
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Quando ela entrou no sétimo portão, o vestido de pala, vestidos de senhoria, foi removido de seu corpo.  
 - "O que é isso?"  
 - "Fica satisfeita, Inanna, um poder divino do submundo foi cumprido. Inanna, não deves abrir a boca contra os ritos do submundo." 
Depois que ela se agachou e com suas roupas retiradas, eles foram levados. Em seguida, ela fez sua irmã Ereshkigal levantar-se de seu trono, e se sentou em seu trono. Os Anuna, os sete juízes, pronunciaram sua decisão contra ela. Eles olharam para ela - era o olhar da morte. Eles falaram com ela - foi o discurso da raiva. Eles gritaram para ela - era o grito de culpa pesada. A mulher aflita foi transformada num cadáver. E o cadáver foi pendurado num gancho. 
Depois, três dias e três noites se passaram, seu ministro Ninshubur [dois manuscritos adicionam o seguinte: Seu ministro que fala palavras justas, seu companheiro que fala palavras de confiança] realizou as instruções de sua senhora [um manuscrito acrecenta: não esqueceu suas ordens, não negligenciou suas instruções]. 
Ele fez um lamento por ela nas suas casas arruinadas. Ele tocou o tambor para ela nos santuários. Ele fez as rondas das casas dos deuses para ela. Ele feriu seus olhos por ela, ela feriu o nariz. Em particular, feriu as nádegas. Como um mendigo, revestiu-se em uma única peça, e sozinho ele pôs o pé no E-Kur, a casa de Enlil. 
Quando ele entrou no E-Kur, a casa de Enlil, lamentou perante Enlil: 
  - "Pai Enlil, não deixes que ninguém mate tua filha no submundo. Não deixes teu metal precioso ser ligado lá com a escória do submundo. não deixes teus lápis-lazúli preciosos serem partidos lá com a pedra do pedreiro. Não deixes a tua madeira delicada ser picada lá com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo." 
Em fúria, seu pai Enlil respondeu a Ninshubur: 
  - "Minha filha desejava o grande céu e ela também desejava o grande submundo. Inanna desejava o grande céu e ela também desejava o grande submundo. Os poderes divinos do submundo são poderes divinos que não devem ser desejados, pois quem quer que os pegue deve permanecer no submundo. Quem, tendo chegado a esse lugar, poderia então esperar subir de novo?" 
Assim, o pai Enlil não ajudou neste assunto, então ele foi para Urim. 
No E-lama-kura no Urim, quando ele entrou no E-kic-nu-jal, a casa de Nanna, ele lamentou para Nanna: 
  - "Pai Nanna, não deixes tua filha ser morta no submundo. Não deixes teu precioso metal ser ligado lá com a escória do submundo. Não deixes teu lapislázuli precioso ser partido lá com a pedra do pedreiro. Não deixes tua madeira delicada ser cortada lá com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo". 
Em raiva, o pai Nanna respondeu a Ninshubur: 
  - "Minha filha desejava o grande céu e ela também desejava o grande submundo. Inanna desejava o grande céu e ela também desejava o grande submundo. Os poderes divinos do submundo são poderes divinos que não devem ser desejados, pois quem quer que os pegue deve permanecer no submundo. Quem, tendo chegado a esse lugar, poderia então esperar subir de novo?" 
Assim, o pai Nanna não ajudou neste assunto, então ela foi para Eridug. 
Em Eridug, quando ela entrou na casa de Enki, ela lamentou para Enki: 
  - "Pai Enki, não deixes tua filha ser morta no submundo. Não deixes teu precioso metal ser ligado lá com a escória do submundo. Não deixes teu lapislázuli precioso ser partido lá com a pedra do pedreiro. Não deixes tua madeira delicada ser cortada lá com a madeira do carpinteiro. Não deixes a jovem Inanna ser morta no submundo". 
O Pai Enki respondeu a Ninshubur:  
  - "O que fez minha filha? Ela tem me preocupado. O que fez Inanna? Ela tem me preocupado. O que fez a dona de todas as terras? Ela tem me preocupado. O que fez a hierodule de An? Ela tem me preocupado" 
[um manuscrito acrescenta: Assim o pai Enki a ajudou neste assunto.] 
Ele tirou um pouco de terra da ponta da sua unha e criou Kur-jara. Ele tirou um pouco de terra da ponta de sua outra unha e criou Gala-tura. Para Kur-jara ele deu a planta que dá vida. Para a Gala-tura ele deu a água da vida. 
Então o pai Enki falou a Gala-tura e a Kur-jara: 
  - «[um manuscrito tem: Um de vocês polvilhe a planta que dá vida sobre ela, e o outro a água da vida.] Vão e dirijam-se para o submundo. Atravessem a porta como moscas. Escapem por entre as ferragens da porta como fantasmas. A mãe que deu à luz, Ereshkigal, por conta de seus filhos, está deitada lá. Seus ombros sagrados não estão cobertos por um pano de linho. Seus seios não estão cheios como um vaso [....]. Suas unhas são como uma picareta sobre ela. O cabelo na cabeça é amontoado como se fosse alho-porro.
Quando ela diz "Oh meu coração", deverão dizer "Estás com problemas, nossa Ama, oh teu coração". 
Quando ela diz "Oh meu fígado ", deverão dizer "Estás com problemas, nossa Senhora, Oh teu fígado." 
Ela então perguntará: "Quem são vocês? Falando com vocês do meu coração ao vosso coração, do meu fígado ao vosso fígado - se vocês são deuses, deixem-me falar com vocês; se você são mortais, que um destino seja decretado para vós."  
Façam-na jurar isso pelo céu e pela terra.
[... 1 linha fragmentária ...] 
Ela vai oferecer-vos um rio cheio de água - não o aceitem. Ela vai vos oferecer um campo com o seu grão - não o aceitem, mas digam-lhe:  
  - "Dá-nos o cadáver pendurado no gancho".  
Ela responderá: 
  - "Este é o cadáver de sua rainha." 
Digam a ela: 
  - "Quer seja do nosso rei, quer seja da nossa rainha, dê-nos." 
Ela vos dará o cadáver pendurado no gancho. Um de vocês polvilhe sobre ele a planta que dá vida e o outro a água da vida. Assim, que se levante Inanna.»  
Gala-tura e Kur-jara deram atenção às instruções de Enki. Eles atravessaram a porta como moscas. Escorregaram pelas ferragens da porta como fantasmas. A mãe que deu à luz, Ereshkigal, por causa de seus filhos, estava deitada lá. Seus ombros santos não estavam cobertos por um lençol. Seus seios não estavam cheios como um vaso [...]. Suas unhas eram como uma picaretas sobre ela. O cabelo da sua cabeça estava amontoado como se fosse alho-porro. 
Quando ela disse "Oh meu coração", disseram-lhe: "Tu estás com problemas, nossa ama, oh teu coração". 
Quando ela disse "Oh meu fígado", eles disseram-lhe: "Tu está perturbada, nossa senhora, oh teu fígado". 

Então ela perguntou: "Quem são vós, eu vos digo do meu coração ao vosso coração, do meu fígado ao vosso fígado - se são deuses, falarei convosco, se são mortais, que um destino seja decretado para vocês." 
Eles a fizeram jurar isso pelo céu e pela terra. Eles ....... 
A eles foi oferecido um rio com a sua água - eles não o aceitaram. 
Foi-lhes oferecido um campo com o seu grão - eles não o aceitaram. 
Disseram-lhe: 
  - "Dá-nos o cadáver pendurado no gancho." 
Santa Ereshkigal respondeu a Gala-tura e a Kur-jara: 
  - "O cadáver é de vossa rainha." 
Disseram-lhe: 
  - "Quer seja do nosso rei ou da nossa rainha, dá-nos." 
Eles receberam o cadáver pendurado no gancho. Um deles pulverizou nele a planta vivificante e o outro a água vivificante. E assim levantou-se Inanna. 
Ereshkigal disse a Gala-tura e a Kur-jara: 
  - "Traga sua rainha ......, a sua ...... foi apreendida." 
Inanna, devido às instruções de Enki, estava prestes a subir do submundo. Mas, como Inanna estava prestes a subir do submundo, os Anuna agarraram-na: 
  - "Quem já ascendeu do submundo, e subiu ileso? Se Inanna ascende do submundo, ela deverá fornecer um substituto para ela mesma." 
Assim, quando Inanna deixou o submundo, aquele em frente a ela, embora não fosse um ministro, segurava um ceptro na sua mão. O que estava atrás dela, embora não fosse uma escolta, carregava uma maça à cintura, enquanto os pequenos demónios, como um tapume de junco, e os grandes demónios, como uma cerca de juncos, a reprimiam por todos os lados. 
Aqueles que a acompanharam, aqueles que acompanharam Inanna, não conheceram comida, não conheceram bebida, não comeram nenhuma oferta de farinha, não beberam nenhuma libação. Eles não aceitam presentes agradáveis. Eles nunca desfrutam os prazeres do abraço conjugal, nunca têm filhos doces para beijar. Eles arrancam a esposa do abraço de um homem. Eles arrancam o filho do joelho de um homem. Eles fazem a noiva sair da casa de seu sogro [um manuscrito tem: Eles levam a esposa do abraço de um homem, tiram a criança pendurada nos seios de uma ama de leite]. [outro manuscrito tem: Eles não esmagam alho amargo. Eles não comem peixe, eles não comem alho-porro. Eles eram os que acompanharam Inanna...] 
Após Inanna haver subido do submundo, Ninshubur jogou-se a seus pés na porta do Ganzer. Ele estava sentado na poeira e vestido com uma roupa imunda. Os demónios disseram a santa Inanna: 
  - "Inanna, prossegue à tua cidade, vamos levá-lo de volta." 
Santa Inanna respondeu aos demónios: 
  - "Este é o meu ministro das palavras justas, meu acompanhante de palavras de confiança. Ele não esqueceu as minhas instruções. Ele não negligenciou as ordens que lhe dei. Ele fez um lamento por mim nos montes da ruína. Ele tocou o tambor para mim nos santuários. Ele fez as rondas das casas dos deuses para mim. Ele feriu os olhos para mim, feriu o seu nariz para mim [um manuscrito acrescenta uma linha: Ele feriu suas orelhas para mim em público] Em privado, ele feriu suas nádegas para mim. Como um mendigo, vestiu-se de uma única peça. ... Sozinho ele dirigiu seus passos para o E-kur, para a casa de Enlil, e Urim, para a casa de Nanna, e Eridug, para a casa de Enki [um manuscrito acrescenta uma linha: ele chorou diante Enki]. Ele me trouxe de volta à vida. Como eu poderia entregá-lo a ti? Prossigamos. Prossigamos para a Sig-kur-caga na Umma." 
No Sig-kur-caga na Umma, Cara, na sua própria cidade, jogou-se aos seus pés. Ela estava sentada na poeira e vestiu-se com uma roupa imunda. Os demónios disseram a Santa Inanna: 
  - "Inanna, prossegue para a tua cidade, vamos levá-la de volta." 
Santa Inanna respondeu os demónios: 
  - "Cara é minha cantora, minha manicure e minha cabeleireira. Como eu poderia entregá-la a ti? Prossigamos! Prossigamos para o E-muc-kalama em Bad-tibira." 
No E-muc-kalama em Bad-tibira, Lulal, na sua própria cidade, jogou-se aos seus pés. Ele estava sentado no pó e vestiu-se com uma roupa imunda. Os demónios disseram a santa Inanna: 
  - "Inanna, prossegue para a tua cidade, vamos levá-lo de volta." 
Santa Inanna respondeu aos demónios: 
  - "Excepcional é Lulal, segue-me à minha direita e minha esquerda. Como eu poderia entregá-lo a vocês? Prossigamos! Prossigamos para a grande maceeira na planície de Kulaba." 
Eles seguiram-na até a grande maceeira na planície de Kulaba. Ali estava Dumuzid magnificamente vestido e sentado magnificamente num trono. Os demónios o prenderam pelas coxas. Sete deles derramaram o leite de seus jarros. Sete deles sacudiram a cabeça como [.......] Eles não deixariam o pastor tocar a gaita e a flauta perante dela.
Ela olhou para ele, era o olhar da morte. Ela falou com eles, foi o discurso de raiva. Ela gritou para ele, foi o grito de culpa pesada: 
  - "Quanto mais falta? Levem-no embora." 
Santa Inanna entregou Dumuzid o pastor nas mãos deles. 
Aqueles que a acompanharam, que vieram para Dumuzid, não conheceram comida, não conheceram bebida, não comeram nenhuma oferta de farinha, não beberam nenhuma libação. Eles nunca desfrutam os prazeres do abraço conjugal, nunca têm filhos doces para beijar. Eles arrancam o filho do joelho de um homem. Eles fazem a noiva sair da casa de seu sogro. 
Dumuzid soltou um gemido e ficou muito pálido. O rapaz levantou as mãos para o céu, para Utu: 
  - "Utu, tu és meu cunhado. Eu sou teu parente por casamento. Eu trouxe manteiga para a casa da tua mãe. Eu trouxe o leite para a casa de Ningal. Torna as minhas mãos em mãos de cobra e transforma meus pés em pés de cobra, para que eu possa escapar de meus demónios, que eles não me segurem." 
Utu aceitou suas lágrimas. [um manuscrito acrescenta uma linha: Demónios de Dumuzid não conseguiam mantê-lo preso] Utu tornou as mãos de Dumuzid em mãos de cobra. Ele tornou seus pés em pés de cobra. Dumuzid escapou de seus demónios. [um manuscrito acrescenta uma linha: Como uma cobra sajkal ele .......] Foram presos [....... 2 linhas fragmentárias ] 
Santa Inanna [......] seu coração.
Santa Inanna chorou amargamente por seu marido.
[.... 4 linhas fragmentárias ....] 
Ela rasgou seus cabelos como grama esparta, ela rasgou-o como grama esparta. 
  - "Vocês esposas que estão no abraço de seus homens, onde está o meu precioso marido, filhos que estão no abraço de seus homens, onde está meu precioso filho, onde está meu homem, onde? Onde está meu homem, onde ......? " 
Uma mosca falou a santa Inanna: 
  - "Se eu te mostro onde o homem está, qual será minha recompensa?" 
Santa Inanna respondeu à mosca: 
  - "Se me mostrares onde o meu homem está, vou dar-te este presente: Vou cobrir ......." 
A mosca ajudou (?) Santa Inanna. A jovem Inanna decretou o destino da mosca: 
  - "Na casa de cerveja e a taberna, podes lá ...... para ti. Vais viver como os filhos do sábio." 
Inanna decretou esse destino e, portanto, assim veio a ser. 
...... chorava. Ela veio até à sua irmã (?) e ...... pela mão: 
  - "Agora, ....... para ti por metade do ano e para tua irmã metade do ano: quando a ti te for exigido naquele dia vai ficar, quando a tua irmã for exigida, naquele dia será libertado." 
Assim santa Inanna deu Dumuzid como um substituto ....... 
Santa Ereshkigal - doce é o seu louvor.


Referências:
  http://etcsl.orinst.ox.ac.uk/section1/tr141.htm
  http://www.sacred-texts.com/ane/sum/sum08.htm


Recomendado:
  - Épico de Baal
  - Asherah, a esposa de Yahveh


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...