domingo, 5 de fevereiro de 2012

Revisão do Antigo Testamento




O que contém?

O Antigo Testamento é um conjunto de trinta e nove livros, ou mais (conforme a selecção de livros de que é composto), escritos ao longo de vários séculos, em várias línguas, que podem ser agrupados da seguinte maneira:

Secção
Descrição
Pentateuco ou Lei (Torah para os judeus)
São cinco livros, que narram a vida de Moisés e registam a lei dos judeus. O primeiro, Génesis, inclui a cosmogonia (origem do universo e da Terra) e a história primitiva do homem, segundo a óptica dos hebreus. Os outros são Êxodo, Levítico, Números e Deuteronómio.
Históricos
Josué, Juizes, Samuel, Reis, Crónicas, vários de escribas, entre outros
Poesia e Sabedoria
Jó, Salmos, Provérbios, Canções
Profetas Maiores
Isaias, Jeremias, Ezequiel, Daniel
Profetas Menores
Oseias, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Zacarias, Malaquias, etc


O Antigo Testamento corresponde à bíblia hebraica, conhecida pelos judeus pela designação de Tanakh (acrónimo de três palavras hebraicas Torah-Nevi’im-Kh’tuvim, ou seja, Lei-Profetas-Escritos), cuja composição é idêntica, embora com uma organização diferente.
Outros escritos aparecem em certas edições da Bíblia, mas não são plenamente reconhecidos como sendo sagrados (ou canónicos), como, por exemplo, os livros Macabeus e Judite. São chamados deuterocanónicos, porque foram canonizados depois (gr. deutero, segundo; deuterocanónicos, canonizados em segundo lugar).


Como sobreviveu o texto

A única maneira de se conservar os textos era a sua contínua cópia, uma vez que os exemplares degradavam-se com o tempo e uso. Na Antiguidade, existiam as seguintes grandes correntes de cópias do Antigo Testamento:
-          a Septuaginta (ou versão LXX) - foi uma tradução grega do Antigo Testamento que surgiu no século III AEC, em Alexandria (uma cidade do Egipto que tinha uma grande população judaica de língua grega); o nome advém da tradição que diz que foram 72 sábios, a pedido do rei Ptolomeu II Filadelfo (309 - 246 AEC), que traduziram os textos para o grego;
-          as traduções para o Latim só foram oficializadas a partir do século IV EC, com a introdução da Vulgata Latina por Jerónimo, que já incluía o Novo Testamento;
-          o texto Massorético - corresponde à versão oficial em hebraico, copiada segundo regras rígidas; mas, embora sendo o hebraico a língua original da maior parte dos livros do Antigo Testamento, esta corrente de cópias só se formou a partir do século IX EC e não é claro quais foram as fontes iniciais para esta.


No século XX, por volta de 1947, foram encontrados os Rolos do Mar Morto que continham cópias hebraicas dos livros do Antigo Testamento cerca de mil anos mais antigas que as cópias Massoréticas.


Personagens e Eventos Principais

Todas as histórias do Antigo Testamento têm personagens cujas características são mais ou menos detalhadas. A seguinte tabela contém uma lista resumida das personagens principais, bem como eventos relativos aos judeus em geral, ordenados segundo a cronologia bíblica.

Personagem
Época
Descrição
-
O personagem principal com várias designações: Elohim, El, Yahveh (também Javé ou Jeová), etc.
4000 AEC
Pais da humanidade. Foram expulsos do paraíso por desobedecerem a Deus.
2600 AEC
Protagonista do dilúvio. Graças a ele, a humanidade sobrevive à extinção.
2000 AEC
Patriarca dos povos do médio oriente. Foi-lhe prometida a posse da terra de Canaã (Palestina) para os seus herdeiros.
1900 AEC
Neto de Abraão, Pai das 12 tribos e da nação de Israel.
1850 AEC
Filho de Jacob, antepassado dos judeus.
1850 AEC
Filho de Jacob, leva a família para o Egipto.
1500 AEC
Resgata o povo, escravos no Egipto, e leva-os em direcção à Terra Prometida.
1400 AEC
Faz a conquista militar da Terra Prometida.
até 1100 AEC
Israel tem uma estrutura tribal, sendo governado por Juízes.
Samuel
1100 AEC
Profeta e último juíz de Israel.
1040 AEC
Primeiro rei das tribos de Israel
1000 AEC
Rival da família de Saul. O território do Reino Unido de Israel atinge a sua extensão máxima.
960 AEC
Filho de David. O Reino Unido de Israel atinge um estado máximo de riqueza, mas acaba fortemente endividado.
900 AEC
Profeta que, para os judeus, tem quase a mesma importância que Moisés.
Vários Reis
até 700 AEC
O Reino divide-se em dois: Judá a sul e Israel a norte.
Até 700 AEC
Jonas, Amós e Oseias, Miquéias, Naum, Sofonias e Isaías. Alguns mostram o ambiente instalado pela ameaça assíria. O livro de Isaías foi escrito durante mais de cem anos, mas começa no ambiente pré-exílio.
700 AEC
O reino de Israel é destroçado. O povo israelita é distribuído pelos territórios do Império Assírio. Muitos refugiam-se em Judá.
600 AEC
O reino de Judá é conquistado pelos Babilónios. Jerusalém é destruida. A elite é deportada para Babilónia para servir o Império.
Até 500 AEC
Vários escritos produzidos durante a estada em Babilónia: Ezequiel, Jeremias, Daniel.
500 AEC
Os judeus recuperam autonomia de Jerusalém sob o Império Persa.
Até 400 AEC
Neemias, Esdras, Ageu, Zacarias, Malaquias


Nesta tabela, as datas apresentadas não têm significado histórico. São ditadas pela tradição (judaica e outras) e são sustentadas pelas cronologias da própria Bíblia. Estas cronologias da Bíblia têm a mesma fiabilidade que as histórias aí encontradas e só fariam sentido se estas fossem classificadas como narrativas históricas. 

Na verdade, as narrativas da Bíblia só começam a fazer algum sentido histórico a partir dos episódios dos últimos reis de Judá, por volta do século VII AEC.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...